Trabalhadoras domésticas no Brasil

sujeitos ou sujeitadas na classe, no gênero e na raça?

  • Mary Garcia Castro Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) ; Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (Flacso-Brasil)
Palavras-chave: Trabalho doméstico, Classe, Gênero, Raça, Sindicato

Resumo

Revisitamos escritos sobre trabalhadoras domésticas, com ênfase em seu processo de organização sindical. Ressalta-se o interesse das sindicalistas em ser reconhecidas como parte da classe trabalhadora. Classe que cada vez mais descola subjetividades de experiências vividas em entrelaçamentos de diferentes processos sociais, como gênero e raça. Classe diversificada em termos de composição social e lugar histórico na formação capitalista. Um debate clássico sobre o trabalho doméstico no campo feminista marxista é acessado, e apresentam-se dados sobre o perfil das “domésticas” no Brasil de hoje e como elas estão afirmando resistências nestes tempos de pandemia e barbárie. Palavras-chave: Plataformização da economia; Trabalho; Emprego; Direito do trabalho.

Biografia do Autor

Mary Garcia Castro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) ; Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (Flacso-Brasil)

PhD em Sociologia. Professora visitante do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) -Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisadora da Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (Flacso-Brasil). E-mail: castromg@uol.com.br

Publicado
2020-08-25