Visões da pandemia

- As teses de Giorgio Agamben como idealizações do Ocidente

Palavras-chave: Razão, Entendimento, Liberdade, Analítica, Dialética

Resumo

As formulações do filósofo Giorgio Agamben sobre a pandemia global de covid-19 instauraram um debate que relaciona o status cognoscível da peste e as consequências políticas das ações adotadas pelos Estados nacionais no combate à doença. Constatamos uma embaraçosa semelhança entre seu pensamento e as ideias negacionistas da extrema-direita contemporânea, verbalizadas por políticos como Donald Trump e Jair Bolsonaro. Procuramos evidenciar que isso se deve às inusitadas linhas de conexão que se estabelecem entre o campo pós-moderno — em cujo âmbito Agamben costuma ser situado — e as tendências à chamada pós- -verdade. Essas linhas de conexão derivam, entretanto, de dicotomias estabelecidas já nos primórdios da modernidade. A fim de demonstrar esse ponto, fazemos um percurso que se inicia com uma exposição das ideias de Agamben sobre a pandemia. Em seguida procuramos mostrar que tais ideias têm como pano de fundo analítico a antiga cisão entre liberdade e conhecimento, estabelecida de modo paradigmático por Immanuel Kant. A partir daí, explanamos a contraposição de Hegel à separação entre entendimento e razão. Ao dissolver essa falsa dicotomia, Hegel engendra a unidade dialética entre prática e teoria, sujeito e objeto, liberdade e necessidade. Essa elaboração fornece os elementos teóricos para pensarmos a superação da pandemia pela ação simultânea e correlata do conhecimento científico e do Estado-nação, sendo ambos expressão de uma verdadeira e realista liberdade coletiva.

Biografia do Autor

Cristiano Capovilla, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Doutorando em Filosofia (UERJ) e professor do Colégio Universitário da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Fábio Palácio , Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Doutor em Ciências da Comunicação (ECA/USP) e professor do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Publicado
2021-01-15
Como Citar
Capovilla, C., & Palácio, F. (2021). Visões da pandemia: - As teses de Giorgio Agamben como idealizações do Ocidente. Princípios, 1(160), 24 - 59. https://doi.org/10.4322/principios.2675-6609.2020.160.002